Ir ao topo
Envie sua mensagem:

Envie seu email

Nossas Congregações

Selecione abaixo, a região e a congregação que deseja visualizar.

Região:
Congregação:
História
Hits smaller text tool iconmedium text tool iconlarger text tool icon

Como registra a história das Assembléias de Deus no Brasil, em 1911, os Missionários Gunnar Vingren e Daniel Berg com suas respectivas esposas chegam ao Brasil, na cidade de Belém-PA. Desta vez não na terra prometida, mas em uma terra que prometia, segundo revelação que tiveram da parte de Deus. Àquela semente plantada ali, Deus deu o crescimento, espalhou-se pelo país e chegou ao Estado de Goiás. Neste estado, a família assembleiana fincou raízes primeiramente na capital.

No calor da revolução ocorrida na Assembléia de Deus em Goiânia no ano de 1960, na época, Sede Estadual, á Rua 55 Nº 18, antigo Bairro Popular, grupos se dispersaram, levando a palavra a outros bairros, da cidade, propagando assim a mensagem do evangelho. Embora alguns desviassem da jornada, outros permaneciam firmes, formando uma pequena célula que agregou-se em Vila Nova. Juntou-se a este grupo, o pastor Jaime Antonio de Sousa, que por eles convidado, ofereceu sua vida a este nobre serviço. Esses pioneiros da região leste, guiados pelo Espírito do Senhor, enfrentaram o desafio e hoje o Ministério Vila Nova, daquela pequena célula, qual rebento tenro e frágil em número, pouco a pouco multiplicou e  tornou-se uma referência Nacional.

Desta dispersão, novos campos surgiram e se destacam no cenário goiano, como: Campinas, Fama e Jardim América, Setor Pedro Ludovico, que somados com Vila Nova, formam uma população de aproximadamente 100 mil pessoas. Além desta soma, estes campos, geraram outros campos de trabalhos, seminários, escolas, muitos obreiros forjados neste Santo Ministério hoje pastoreiam várias igrejas, outros servem em campos missionários.

Já em seus primeiros passos, àqueles de visão mais aguçada, dava o pressentimento de que em Vila Nova havia surgido não apenas um grupo de irmãos para manter acesa a chama, duramente fustigada pelo vendaval ocorrido naqueles dias tenebrosos, mas surgia uma igreja forte e preparada para cumprir o Ide de Jesus. Começando por Vila Nova, espalhando-se por Goiânia, posteriormente, Goiás, estendendo para o Brasil e atualmente, através dos missionários enviados já evangeliza, até os confins do mundo.

A primeira ceia daquela igreja que emergia dos escombros, originada de uma inesperada ruptura, foi ministrada no mesmo ano de 1960, na residência do saudoso irmão, o evangelista José de Araújo à rua 200, neste mesmo setor, ao lado da antiga Rádio Brasil Central. O labor e dedicação empreendido por aquele pequeno grupo parecia repetir o feito de um outro grupo bem parecido e liderados pelo mestre nazareno, há quase dois mil anos atrás. Em razão de tal empenho e entrega incondicional, surgiu a necessidade de um local mais adequado, foi então que alugaram um pequeno salão à 6ª Avenida esquina com a Rua 225 em Vila Nova, aquele que seria um dos maiores campos de trabalhos evangelísticos do estado de Goiás, embora no momento contasse, segundo remanescentes daquela época, com apenas cerca de doze irmãos. O novo local de culto, logo tornou-se pequeno. Em franco crescimento, a igreja transferiu-se para a Rua 215 Nº 293, bem em frente onde hoje tem seu endereço definitivo. Neste novo endereço a recém criada Assembléia de Deus de Vila Nova, continuava a crescer e sentia a necessidade urgente de fincar estacas e ter seu templo próprio. Foi assim que a Assembléia de Deus de Vila Nova, fundada em 04 de Fevereiro de 1961, inaugurava em 28 de Julho de 1968, com um número bem expressivo de irmãos, o seu primeiro templo, que seria sua sede definitiva à Rua 215 Nº 280 em Vila Nova nesta Capital. Os pioneiros, que fizeram parte da fundação do trabalho e que emprestam seus nomes para este sucinto memorando, são: Pastor Jaime Antônio de Souza, Antônio Araújo, Manoel Gonçalves Divino, Manoel Ferreira Neto, Florêncio Ferreira de Santana, Maria Francisca de Santana, Clodoardo Evilázio Ferreira, Jacinto Gomes de Castro, Oscar de Oliveira Martins, Gomer Gonçalves de Souza, Laurice Batista Araújo, Jorge Vieira Borges, Jorge Branco de Gouveia, Geroni Ferreira do Nascimento e outros, que não nos foi possível registrar aqui, mas que com certeza está registrados nos anais celestiais. Destes notáveis aqui citados, vale lembrar que alguns deles já dormem com o Senhor aguardando a gloriosa promessa da ressurreição. A  personalidade jurídica, foi conquistada em 18 de maio de 1.965, conforme registro N.º 757  no cartório de Registro de Pessoas Jurídicas, Títulos, Documentos e Protestos da Segunda Zona de Goiânia. Foi um início difícil, porém vitorioso, como conta o Pastor Jaime Antônio de Souza, fundador do trabalho. Em palavra emocionante, ditas por ele, veteranos choraram de alegria por verem a dimensão do trabalho nos dias de hoje. A Deus que dia a dia sustentou, guardou, promoveu, despertou, enfim, por intermédio de homens e mulheres, jovens e crianças, das mais diferentes classes sociais e culturais tem feito prosperar esta obra, a Ele toda a glória.

Em 11 de dezembro de 1975, o Pastor Jaime Antônio de Souza passou as mãos do Pastor Jorge Branco de Gouveia, as chaves da Igreja de Vila Nova. Na época, a igreja tinha cinco congregações em funcionamento e cerca de 500 irmãos congregando, número expressivo para aquele tempo. Com o seu jeito arrojado e uma visão ampla, o Pastor Jorge dinamizou ainda mais o trabalho alargando as fronteiras e estabelecendo novas congregações. Com o passar dos anos, o estabelecimento de novas igrejas, o templo, anteriormente tão belo e espaçoso, já se apresentava ultrapassado e sem condições para acomodar os fiéis. Novamente, através de muito trabalho, doações e ofertas generosas, ergueu-se para a glória de Deus um novo e belo templo, no mesmo local, re-inaugurado em 26 de maio de 1996.  Hoje Vila Nova está presente em cinco Estados da Federação, em 51 municípios, com 245 congregações, 5.100 obreiros, um total de  21.500, membros ativos em todo o campo. Se considerarmos muitos que por aqui já passaram, entre eles, os que mudaram para outras cidades, outros ministérios, faleceram ou mesmo desviaram, entretanto foram de alguma forma influenciados, beneficiados, abençoados neste ministério, aí sim teríamos um total de 53.802. A dimensão do trabalho de Vila Nova, não é expressa apenas pelo número registrado no rol de membros, ou mesmo daqueles que por aqui passaram e que participaram das bênçãos de Deus, ou mesmo os que figuram em nossos registros, apanhados pela malha da organização burocrática. Há milhares de crentes que fazem ou fizeram parte deste Ministério que por razões não são membros em comunhão, participam somente como congregados, os tais não estão inseridos no número dos cadastrados. Mesmo não sendo membros em comunhão, são crentes salvos pela poderosa Palavra anunciada no decorrer destas décadas. Para dar suporte a este crescimento, em 1992, foi criado um Seminário Teológico para formação de seus obreiros, foi notória a dinâmica do trabalho a partir daí. Hoje o seminário tem cerca de 420 alunos e uma equipe de professores quase toda formada dentro da própria estrutura da escola. Mostrando amplitude na sua visão, dando seqüência a seus projetos. Em 1995, foi criado o Curso Preparatório para Diáconos, Diaconisas e Presbíteros cujas finalidades principais, são: padronização da linguagem no campo de trabalho, sobretudo dando suporte para que o Obreiros manejem bem a palavra da Verdade de forma a estar perfeitamente preparado e aprovado para toda boa obra. No ano de 1996, foi criada a Escola Evangélica Lírios dos Vales para atender os filhos de seus membros e a comunidade local. A trajetória da Igreja de Vila Nova tem sido marcante e vitoriosa. Contabilizando um crescimento extraordinário, a igreja cresce em todas as suas dimensões. Engajados para esse sucesso há uma forte e abençoada equipe de obreiros que seguem coesos sob a liderança de seu presidente, que sob a inspiração do Espírito Santo dá ritmo cada vez mais forte aos projetos de expansão do campo. Se olharmos para a dispersão ocorrida em Jerusalém no início da igreja. Se atentarmos para aquela palavra de Jesus a Pedro, “o que eu faço, não o sabes agora, mas o compreenderás depois”. Talvez possa ser um bálsamo às feridas ainda não curadas daqueles que nunca entenderam o que e o porquê do ocorrido à igreja em Goiânia naquele sombrio ano de 1960.

A Deus que tem em seu poder tanto o querer quanto o realizar, toda glória, honra, louvor e soberania, não somente agora, mas também no dia eterno.